Postado em sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Diabetes mellitus: veja como a nutrição pode ajudar a controlar a doença


O diabetes mellitus (DM) é uma condição de origem multifatorial, incluindo fatores genéticos e ambientais. É uma doença crônica que atingiu proporções epidêmicas entre adultos e crianças em todo o mundo. De acordo com o relatório publicado pela Federação Internacional de Diabetes (FID) em 2013, sobre a prevalência global de DM entre adultos (20-79 anos) foi de 8,3% (382 milhões) e o número deve aumentar para mais de 592 milhões de pessoas até 2035, com estimativa global de 10,1%.
 
No Brasil, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que 16 milhões de brasileiros sofrem da doença. Ainda de acordo com o estudo, a taxa de incidência cresceu 61,8% nos últimos dez anos. O Rio de Janeiro (RJ) aparece como a capital brasileira com maior prevalência de diagnóstico médico, com 10.4 casos a cada 100 mil habitantes.
 
O DM é uma epidemia global e o Brasil ocupa o 4º lugar no ranking dos países com o maior número de casos, atrás de China, Índia e Estados Unidos.
 
Existem diferentes tipos de DM, incluindo pré-diabetes, DM1, DM2 e diabetes gestacional. Os tipos mais comuns são pré-diabetes e DM2, que são amplamente influenciados pelo excesso de gordura corporal, dieta inadequada e sedentarismo, tabagismo e consumo excessivo de álcool.
 
O DM2, antes denominado uma doença de início na idade adulta, atinge números cada vez mais preocupantes. Ainda mais alarmante, atualmente está crescendo entre adolescentes e crianças. Com o aumento das taxas de sobrepeso e obesidade infantil, a DM2 está se tornando comum entre os jovens.
 
O DM não controlado causa distúrbios vasculares como retinopatia (cegueira), nefropatia (doença renal do diabetes), doença vascular periférica (DVP), amputações, e acidente vascular cerebral (AVC). O DM também afeta o músculo cardíaco, causando insuficiência cardíaca sistólica e diastólica. É importante ressaltar que as complicações cardiovasculares são a principal causa de morbidade e mortalidade nesses pacientes.
 
Banner Espaçamento
Como a nutrição pode ajudar?
Viver com diabetes não significa necessariamente sentir-se privado. As pessoas podem aprender a fazer escolhas adequadas e incluir alimentos que gostam. Segundo a American Diabetes Association (ADA), o segredo é priorizar frutas, vegetais, proteínas magras, alimentos naturais, e evitar gorduras saturadas e alimentos processados. Uma alimentação equilibrada ajuda a manter o peso adequado, melhora o bem-estar geral e previne complicações relacionada a doença.
 
Para a nutricionista Adriana Stavro, é importante ressaltar que a ingestão de certos alimentos ajuda a prevenir e a controlar a doença. Confira:
 
Vegetais de folhas verdes
Os vegetais folhosos verdes são nutritivos e com poucas calorias, ricos em cálcio, potássio, vitamina A, e C. O aumento da ingestão de alimentos ricos em vitamina C pode ajudar pacientes com DM a reduzir o processo inflamatório e o dano celular. Além disso, as folhas verdes são boas fontes dos antioxidantes luteína e zeaxantina. Esses antioxidantes protegem os olhos da degeneração macular e da catarata, que são complicações comuns do DM.
 
Abacates
Outro alimento que vai ajudar na saúde ocular. O abacate contém luteína e zeaxantina, importantes para a saúde dos olhos. Incluir a fruta na alimentação, ajuda a reduzir o risco de desenvolver degeneração macular relacionada a doença. Além disso a gordura presente na fruta não altera a glicemia. Isso significa que pacientes diabéticos podem se beneficiar com o consumo.
 
Grãos integrais
Os grãos integrais contêm mais fibras e mais nutrientes que os grãos refinados. Comer mais fibras é importante, pois retardam o processo de digestão. Uma absorção mais lenta ajuda a manter estáveis os níveis de glicemia. Bons exemplos de grãos integrais são, o arroz integral, pão integral, macarrão integral, trigo sarraceno, quinoa, chia, painço e centeio.
 
Peixe
Peixes gordurosos são um complemento saudável a qualquer dieta, pois são fonte de ômega-3, chamados de ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosahexaenóico (DHA), importantes para a saúde do coração e do cérebro. Uma alimentação rica em gorduras poli-insaturadas e monoinsaturadas, pode melhorar o controle do açúcar e dos lipídios no sangue. Peixes fonte de EPA e DHA são o salmão, a cavalinha, a sardinha e o atum.
 
Ovos
Os ovos diminuem a inflamação, melhoram a sensibilidade à insulina, aumentam os níveis de colesterol HDL (bom), e modificam o tamanho e a forma do colesterol LDL (mau). Além disso, os ovos são uma boa fonte de luteína e zeaxantina, antioxidantes que fornecem proteção contra doenças oculares.
 
Feijão
Os feijões são baratos, nutritivos e super saudáveis. O feijão é um tipo de leguminosa rica em vitaminas B, minerais (cálcio, potássio e magnésio) e fibras. Eles também têm um índice glicêmico muito baixo, o que é importante para o controle do diabetes. Comer feijão também ajuda na perda de peso, regula a pressão arterial e diminui o colesterol. Há uma grande variedade de grãos, incluindo, feijão vermelho, carioca, preto, azuki e moyashi. Esses grãos também contêm nutrientes importantes, incluindo ferro, potássio e magnésio.
 
Nozes
Assim como os peixes, as nozes contêm ácidos graxos saudáveis que ajudam a manter o coração saudável. São ricas em ômega-3, chamados de ácido alfa-lipóico (ALA). Pessoas com diabetes podem ter um risco maior de doenças cardíacas ou derrame, por isso é importante obter esses ácidos graxos por meio da dieta.
 
Um estudo publicado em 2018 sobre associação entre o consumo de nozes e o risco de DM, sugeriu que comer nozes está relacionado a uma menor incidência de diabetes bem como glicemia de jejum reduzida.
 
Frutas cítricas
Comer frutas cítricas é uma ótima maneira de obter vitaminas e minerais. Alguns pesquisadores acreditam que dois antioxidantes chamados hesperidina e naringina, são responsáveis pelos efeitos antidiabéticos das laranjas. As frutas cítricas também são uma ótima fonte de vitamina C, folato e potássio.
 
Frutas vermelhas
São ricas em antioxidantes conhecidos como antocianinas, que lhes dão sua cor vermelha. As antocianinas melhoram o açúcar no sangue e os fatores de risco de doenças cardíacas para pessoas com DM2. Os antioxidantes também podem prevenir o estresse oxidativo (EO), que ocorre quando há um desequilíbrio entre antioxidantes e moléculas instáveis chamadas radicais livres. O EO está relacionado a algumas condições de saúde, incluindo problemas cardíacos e alguns tipos de câncer.
 
Estudos mostraram níveis crônicos de EO em pessoas com DM. Por isso o consumo de mirtilos, amoras, morangos e framboesas para estes pacientes é importante.
 
Alimentos probióticos
São encontrados em certos alimentos ou suplementos, e podem fornecer diversos benefícios à saúde.
 
Um Estudo de 2013 sobre a função das bactérias intestinais na saúde e na doença confirma que, uma microbiota saudável pode ajudar nas funções do sistema imunológico, tratar doenças gastrointestinais, auxiliar na redução do colesterol LDL (ruim) e no aumento do HDL (bom), e diminuição dos triglicerídeos, além de ajudar a tratar a obesidade, entre outros benefícios.
 
Quais alimentos são probióticos? Os alimentos probióticos que naturalmente contêm bactérias úteis, são o chucrute, o kombucha, kefir, alguns tipos de picles (não pasteurizados), vegetais em conserva (não pasteurizados), e alguns tipos de iogurtes. Os probióticos também podem ser encontrados em suplementos em forma de comprimidos, pós ou líquidos.
 
 
Sementes de Chia
As pessoas costumam chamar as sementes de chia de superalimento devido ao alto teor de antioxidantes e ômega-3. Elas também são uma boa fonte de proteínas e fibras vegetais. As sementes de chia podem ajudá-lo a atingir um peso saudável, pois as fibras reduzem a fome além de manter o controle glicêmico.
 
 
 
 
 
 
 
 
 


Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Ok, eu aceito