Postado em quarta-feira, 5 de agosto de 2020 às 15:03

‘Bolsonaro bump’ teve efeito modesto na circulação de jornais em 2020

Versão impressa registrou queda geral e ninguém mais tem 100 mil cópias diárias.


 A eleição de Donald Trump para a Presidência dos Estados Unidos, em 2016, impulsionou veículos jornalísticos norte-americanos nos anos seguintes (2017 e 2018). Foi o chamado “Trump bump”, em que leitores liberais passaram a consumir mais notícias e a pagar por esse produto.

No Brasil, o efeito foi modesto. Depois da vitória de Bolsonaro, em 2018, os 3 principais jornais brasileiros tiveram redução no ritmo de crescimento na circulação total somada (impresso + digital).

A tendência segue a mesma: as publicações têm conseguido algum avanço nas assinaturas de suas versões digitais, mas sempre menos exemplares impressos.

Não existe mais nenhum jornal diário no Brasil (o país tem 211,8 milhões de habitantes) que tenha uma tiragem média de seus exemplares impressos acima de 100 mil exemplares.

Quando se observa o período de 5 anos, a fotografia fica clara. O número total de assinantes (do digital e do impresso) de 12 grandes jornais e revistas em dezembro de 2015 era de 3.054.643. Em junho de 2020, havia caído para 1.990.698. Houve uma queda de 1.063.945 (35%).

Houve algum ganho via assinaturas digitais, mas a indústria de mídia jornalística não se recuperou totalmente. O faturamento com as versões online ainda é menos rentável do que foi a do impresso.

NÚMEROS NO 1º SEMESTRE

O número total de assinaturas (digitais e impressas) de 12 grandes jornais e revistas em dezembro de 2019 era de 2.179.649. Os dados mais recentes (maio e junho de 2020) apontam 1.990.698. Queda de 9%.

Folha, Valor e A Tarde registraram crescimento de até 5% no 1º semestre (leia no infográfico abaixo). Outros 9 grandes meios tiveram queda de circulação. Super Notícias (MG) (-29%), Época (-25%) e Estado de Minas (-17%) apresentam os piores resultados.

Os jornais O Globo e Valor Econômico anunciaram em junho que não vão mais enviar suas edições impressas para Brasília. Na capital federal, agora só vendem pacotes virtuais.

ASSINATURAS DIGITAIS: PREÇOS MODESTOS

A maioria das publicações oferece descontos para ter assinantes digitais. O preço cheio, sem promoções, só vale para quem permanece comprando o serviço depois de 1 período. A auditoria do setor considera assinante até quem recebe 90% de desconto.

REVISTAS EM QUEDA LIVRE

De dezembro de 2019 até maio deste ano, a revista Veja teve redução de 73.741 exemplares impressos e digitais. Isso equivale a uma queda de 13,5%.

Já a Época, do Grupo Globo, teve 39.406 cópias a menos no período (queda de 25,1%). A IstoÉ não é auditada pelo IVC e seus números não são públicos.

Somadas, as perdas de Veja e de Época somam 113.147 exemplares a menos (16,1% de queda).

IVC MONITORA TIRAGEM

A maior parte do aumento recente de assinantes digitais dos jornais se deu em 2018, quando o IVC (Instituto Verificador de Comunicação) mudou o critério sobre o que é “circulação paga”.

Em 2018, deu-se uma espécie de “pedalada” contábil. É que, em janeiro daquele ano, o IVC passou a considerar como “circulação paga” assinantes que recebem até 90% de desconto em relação ao preço de capa (eis o comunicado com o novo critério). Isso provocou 1 espetáculo do crescimento de assinantes digitais.

Os gráficos acima nesta reportagem marcam o momento em que houve o crescimento mais acentuado das tiragens dos jornais. Como é possível observar, o fenômeno não se repetiu com a mesma intensidade em 2019 nem no 1º semestre de 2020 –pelo menos não para todos os veículos.

No início de 2019, o IVC esclareceu ao Poder360 o que se passou por meio de seu presidente, Pedro Silva:

“Em janeiro de 2018, tivemos alteração dos valores máximos permitidos de desconto. Isso quer dizer que alguns assinantes que não pagavam o suficiente para serem considerados ‘circulação paga’ passaram a ser contabilizados. Isso explica o aumento expressivo de 1 mês para o outro e a não continuidade do crescimento nos meses seguintes”.

E de quanto pode ser o desconto? Segundo o documento do IVC datado de 1º de janeiro de 2018, no caso de assinaturas digitais, o abatimento passou para até 90% do valor cobrado das edições impressas.

Diferentemente de vários veículos nos Estados Unidos que são empresas abertas e com ações negociadas em Bolsa de Valores, no Brasil, os empreendimentos em mídia são fechados. Por essa razão (e não há nada de errado nisso), são pouco conhecidos os resultados financeiros –e o impacto que têm as assinaturas digitais, que crescem, mas resultam em faturamento não tão robusto como eram as vendas das edições em papel.

[Leia essa reportagem completa no site Poder 360]



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

     
     
     
     

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Ok, eu aceito