Postado em sábado, 28 de novembro de 2020 às 12:26

O poder local tem papel crucial na reconstrução da democracia

A agenda política progressista parece não ter dado a devida importância às conexões entre a questão municipal, a questão democrática e as políticas urbanas.


Em 2020 teremos as primeiras eleições após a ascensão dos partidos de ultradireita para o centro do cenário político brasileiro, ainda na esteira do golpe de 2016. Com praticamente metade de seu mandato completo, a eleição pode servir de referendo para o governo Bolsonaro e sua avalanche conservadora no Congresso, nas assembleias e nos governos estaduais. Ainda que uma guinada à direita ou à esquerda nas prefeituras e câmaras de vereadores possa indicar se existe esperança de um fim para a tresloucada aventura fascista em que o Brasil se enfiou neste começo de século XXI – aventura com resultados possivelmente catastróficos para o futuro tanto de nossa população e da nação quanto do próprio bioma em que estamos inseridos –, é uma pena que esse embate ofusque a importância das eleições municipais, onde deveriam ser apresentadas e debatidas as políticas públicas que atingem de maneira mais direta a população. Precisamos falar sobre o avanço predatório da direita não apenas sobre as instituições democráticas da República, mas também sobre os efeitos práticos que uma avalanche conservadora nas eleições municipais teria para o futuro das cidades brasileiras, principalmente em tempos de pandemia.

[CLIQUE AQUI E LEIA O ARTIGO COMPLETO NO SITE DIPLOMATIQUE]



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.

     
     
     
     

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Ok, eu aceito