Postado em quarta-feira, 13 de setembro de 2017 às 08:41

Que tal visitar um alambique e conhecer o processo de produção da cachaça artesanal?

Minas produz as cachaças mais variadas e autênticas de todo o país. São mais de 500 alambiques registrados, sendo 250 marcas certificadas pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), que vão desde aquelas de produção familiar e artesanal, de pequena escala, até grandes marcas, que exportam a bebida para dezenas de países.

Alguns alambiques estão abertos à visitação. Que tal programar uma visita?



Museu da Cachaça – Salinas

Inaugurado em 2012 em Salinas, cidade que é a maior produtora de cachaça de alambique do país, o museu de 13 mil m² reúne 1.700 rótulos, que podem ser degustados. Há também uma instalação de 9 m que promove exclusivamente a produção mineira, com 1.750 garrafas.

Avenida Antônio Carlos, 1.250

De quarta a domingo das 9h às 19h, grátis.

(38) 3841-4778



Vale Verde – Betim

O Vale Verde Alambique e Parque Ecológico, criado em 1989, reúne 2.000 rótulos da bebida, incluindo itens raros como a Pele Caninha, criada em homenagem ao craque depois da Copa de 1958.

Rua Ary Barbosa da Silva, 1000

De terça a domingo das 9h às 17h30, R$ 20.

(31) 3079-9140

cachacavaleverde.com.br



Rota da Cachaça – Brumadinho

Nos domingos de abril a setembro, o processo de fabricação e degustação da cachaça é tema de roteiro do receptivo HT Happy Travel (htturismo.wordpress.com). O passeio inclui visita às instalações de duas fazendas de produção e envelhecimento da bebida nas cidades de Brumadinho e Moeda, com oficina de degustação. Depois, há um almoço em restaurante local, onde os pratos são preparados com cachaça.



Germana – Nova União

Há mais de 90 anos, o tropeiro Sergio Caetano começou a produzir cachaça, que ele usava como moeda de troca para conseguir querosene e sabão que vinham da Inglaterra. O nome da bebida homenageia a freira Germana, que morava em Caeté no início do século XIX.

Fazenda Vista Alegre

De segunda a sábado das 8h às 17h.

(31) 3426-1519

cachacagermana.com.br



Prazer de Minas – Esmeraldas

Produzida na cidade de Esmeraldas desde 1999, a cachaça já foi considerada duas vezes a “Preferida do Brasil” na Expocachaça. Toda a cana utilizada na produção é plantada dentro da fazenda e a fermentação é feita sem aditivos químicos. A fazenda está aberta a visita, sob agendamento.

Acesso pelo km 19 da MG-060

De segunda à sexta das 8h às 11h e das 12h às 16h, sábados das 8h às 11h

(31) 995 253 390

cachacaprazerdeminas.com.br



Cachaça Século XVIII – Coronel Xavier Chaves

São muitas as curiosidades que cercam a produção da Cachaça Século XVIII. Trata-se de um dos mais antigos alambiques do país, com pelo menos 260 anos da história. Os proprietários também afirmam que o alambique funcionava na fazenda do irmão mais velho de Tiradentes. Para conhecer o sistema de produção, experimentar essa cachaça secular e comprar garrafas de até 25 anos, pode-se até se hospedar em uma pousada dentro da fazenda.

Praça Eduardo Chaves, 99

(32) 3357-1238

cachacaseculoxviii.com.br



Tabaroa – Bichinho

A Cachaçaria Tabaroa já tinha 12 anos de história quando foi transferida do sul do estado para o distrito de Bichinho, em 1999. Hoje, a bebida está disponível nas versões amarela, armazenada em tonéis de carvalho francês, e caiana, maturada em tonéis de aço inoxidável.

Rua Dep. José Bonifácio Filho 51

(32) 3353-7094

cachacatabaroa.com.br



Taverna de Minas – Itaverava

Premiadíssima, a cachaça é produzida na cidade de Prados de maneira sustentável (os restos não aproveitados na produção são transformados em combustíveis para carro). O estabelecimento promove ainda cursos sobre produção e degustação.

Acesso pelo km 270 da BR-482

(32) 2535-2228

tavernademinas.com.br



Rainha do Vale – Belo Vale

Localizada no vale do Rio Paraopeba, a Fazenda Gameleira produziu a primeira safra da cachaça Rainha do Vale em 1997. Hoje, já há três opções de bebidas: a que é armazenada por dois anos em tonéis de carvalho e é mais aromatizada, a que fica por um ano em tonéis de jequitibá, mais pura, e a que fica por seis meses em tonéis de inox, perfeita para fazer caipirinhas. A fazenda recebe visitas.

(31) 3292-7477

rainhadovale.com.br



Guaraciaba – Guaraciaba

A cachaça começou a ser produzida por Zé Santana em 1960, quando tropeiros a distribuíam pelos mercados da cidade em cima de burros. Cinco anos depois, surgiu a marca Guaraciaba, e, com o tempo, os burros precisaram ser substituídos por caminhões para comercializar os 600 mil litros que o alambique fabrica anualmente.

(31) 3893-5134

cachacaguaraciaba.com.br



Leblon – Patos de Minas

Apesar de ser produzida em Patos de Minas com toda a tradição mineira, a Leblon (cachacaleblon.com.br) é provavelmente a mais gringa das cachaças. Ela foi criada pelo americano Steve Luttman, tem sede em Nova Iorque, foi comprada no ano passado pela empresa Bacardi e já pode ser encontrada em 35 países.



Velha Aroeira – Porto Firme

A Fazenda Santa Tereza produz eucalipto e palmito pupunha, mas é mais conhecida pelas cachaças Velha Aroeira e Arorinha, que fabrica desde os anos 1990. A fazenda, que conta com áreas de hospedagem, alimentação e lazer, promove o tour da cachaça, que visita a área da produção da bebida ao som de uma viola caipira, com degustação incluída.

(31) 99191-5115

velhaaroeira.com.br

 

 

Fonte: Turismo  de Minas

















COLUNAS


Lava Jato
O silêncio dos inocentes. Inocentes?
Daniel Murad Ramos
Em debate
Shows do Aniversário de Alfenas
Leonardo Miranda
Democracia
O cair das máscaras
Daniel Murad Ramos
Todos Colunistas do Alfenas Hoje

Alfenas Hoje - Jornalismo com responsabilidade
Copyright © 2007 - 2017 - Todos os direitos reservados

Adapt Soluções e Treinamentos