Postado em quarta-feira, 7 de novembro de 2018 às 22:10

Alfenenses criam plataforma que permite pessoas interagirem com personagens históricos

A plataforma de realidade virtual está sendo apresentada em Portugal na maior conferência mundial de tecnologia.


Alessandro Emergente

Você gostaria de interagir com Pedro Alvares Cabral, Dom Pedro II, Princesa Isabel ou qualquer outro personagem histórico? No futuro isso poderá ser possível graças a uma plataforma de realidade virtual aumentada que vem sendo produzida por uma startup, que tem como sócios dois alfenenses.

A primeira parte do projeto, que possibilita turistas a visitarem pontos turísticos de Portugal tendo como “guias turísticos” alguns personagens históricos, está sendo apresentada essa semana no Web Summit, a maior conferência de tecnologia no mundo.

O evento, que começou na Irlanda e atualmente é realizado em Lisboa (Portugal), reuniu, no ano passado, mais de 80 mil pessoas em três dias de eventos. Para esse ano são 500 startups (empreendimentos com custos de manutenção baixos, mas com potencial para crescer rapidamente e gerar lucros cada vez maiores). A Nimest Tech, criada por dois alfenenses, é uma delas.

Os empreendedores alfenenses Fernando Vilela e Carlos Morais, idealizador do projeto (Foto: Arquivo pessoal)


O engenheiro elétrico Carlos Morais, que atualmente reside em Portugal, e o administrador Fernando Vilela começaram a construir o empreendimento ainda em Alfenas. Atualmente, a startup conta com mais duas integrantes em Portugal.

Nova forma de conhecer lugares turísticos

A plataforma de realidade aumentada, que está sendo apresentada na Web Summit, pode mudar a forma como turistas visitam lugares históricos. A aplicação coloca os personagens históricos para interagirem com os turistas, ensinando um pouco da história e cultura de Portugal.

Utilizando um aparelho celular, o turista consegue projetar a imagem de um personagem histórico de Portugal, que relata informações sobre cidades como Porto e Lisboa. A ideia é expandir para outras localidades, como França, Itália, Espanha e até o Brasil. “Queremos que as pessoas viajem não só no espaço, mas também no tempo”, explica Morais.


Carlos Morais reunido, em Lisboa, com a diretora de Educação da Unesco (Foto: Divulgação)


Os idealizadores do projeto avaliam que nos próximos anos já poderá contar com a tecnologia de óculos para aplicação da realidade aumentada, o que substituirá o aparelho celular. Os envolvidos no projeto trabalham na criação de uma plataforma de realidade aumentada com base na inteligência artificial.

Inteligência artificial

A tecnologia possibilitará que as pessoas possam recriar os personagens de suas localidades, dando vida a eles. A partir da biografia, contida nos livros de história, a inteligência artificial permitirá que a personalidade desses personagens seja recriada.

Em outubro, o projeto foi apresentado por Morais ao presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza (Foto: Reprodução/Facebook)


Por isso, a aplicação da realidade aumentada com base em inteligência artificial vai além do uso como “guia turístico” e pode chegar as salas de aulas, revolucionando as aulas de história. O projeto chamou a atenção da diretora de Educação da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Mmantsetsa Marope, que é a mentora da startup na Web Summit.

Morais, idealizador do projeto, morou no Canadá, Espanha e na Ilha de Malta, antes de seguir para Portugal, onde reside atualmente. Na entrevista ao Alfenas Hoje, concedida via whatsapp diretamente de Lisboa, fez questão de citar a base de conhecimento recebida durante a sua graduação em engenharia na Inatel (Instituto Nacional de Telecomunicações), em Santa Rita do Sapucaí, e de seu sócio no curso de administração de empresa da Unifenas (Universidade José do Rosário Velano). Confira um vídeo de divulgação que faz uma demonstração do produto desenvolvido pelos alfenenses.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caracteres Restantes 500

Termos e Condições para postagens de Comentários


COMENTÁRIOS

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.